domingo, setembro 02, 2007

Diferença entre "Legalização" e "Descriminalização" do Aborto

Li que os apoiadores do aborto amplo, geral e irrestrito agora estão criando mais um factóide. Ao invés de chamar de "Liberalização" do aborto, recorrem a um termo utilizado aqui em Portugal ("descriminalização")  para a campanha que deu vitória (por W/O) aos "descriminalizadores".

O slogan que acabou atraindo simpatizantes para a causa da "liberação" / "descriminalização" (chamado de "despenalização") e que foi entoado por todos os apoiadores, era "SOMOS TODOS CONTRA O ABORTO" para engatar logo em seguida um "mas....".

Para dar uma satisfação à opinião pública foi dito que seria feito - para todas as candidatas a abortar - um aconselhamento obrigatório para demover a candidata da prática. Os médicos que recusassem a executar o procedimento por razões de consciência não seriam obrigados a fazê-lo.
Até o Presidente, Cavaco Silva recomendou que a promulgação só poderia acontecer se a última ecografia do bebê fosse mostrada à candidata.

Na realidade aconteceu o seguinte:

Muitos consideram-se iludidos pelo slogan "Somos todos contra o aborto" pois agora que a lei foi aprovada, ninguém mais fala disso.
Qual a percepção de muitos usuários dos serviços das clínicas de aborto? Em matéria do Publico.pt saiu uma consideração típica, de que muitas candidatas ao aborto preferem fazê-lo em Espanha. Levam o namorado, que vai às compras e abastece o carro (aproveitando os preços mais baratos), enquanto elas  fazem o  "procedimento" por  lá. É o programa  combo "kill and shop"...

Para terminar, um vídeo do grupo humorístico português "Gato Fedorento" explicando as diferenças entre a "legalização" e a "despenalização" do aborto. É a perfeita tradução do embuste!

http://www.youtube.com/watch?v=Rf-9SqZ6V80



2 comentários:

Eduardo Araújo disse...

Caro Luís,

A liberação do aborto é um dos mais representativos emblemas da sociedade moderna.

Uma sociedade terrorista, desumana ao extremo, que trata os que não podem se defender com o maior requinte de crueldade; sociedade ateísta anti-religiosa, extremamente intolerante e militante truculenta contra a menifestação religiosa. Sociedade que mente cínica e hipocritamente, usando de farsas como a que ocorreu em Portugal na campanha pró-aborto.

Sem dúvida, o aborto é um exemplo perfeito dessa sociedade tão "moderna" e "científica" (tanto que se vale de farsas para impor suas valores).

Não duvida que aqui no Brasil também será assim, mesmo porque a farsa e o cinismo são capitais para fazer valer as falácias abortistas.

Abraço

José Carlos disse...

Muito bem escrito este comentário, a denunciar bem o verdadeiro embuste em torno do "slogan" SOMOS TODOS CONTRA O ABORTO. Uma fraude "democrática"!
Participei activamente da campanha contra o aborto em Portugal e tive depois oportunidade de escrever um artigo para a revista brasileira "Catolicismo", sob o título "O referendo que não houve" (http://www.catolicismo.com.br/materia/materia.cfm/idmat/A51A4E6C-3048-560B-1C33FAFB8DEED5EA/mes/Abril2007), no qual denunciei as várias etapas desse embuste.