quarta-feira, agosto 10, 2005

Roberto Jefferson, nossa Elizabeth Bentlley??



Promotor: Senhorita Bentley, você sabia qual era a relação entre o Partido Comunista dos Estados Unidos e a Internacional Comunista?

Bentley: Ele era parte da Internacional Comunista e, como tal, sujeito à sua jurisdição.

Promotor: Bem, que conexão havia entre a sua filiação e a de Golos (Jacob Golos, chefe de espionagem soviética nos Estados Unidos) ao Partido Comunista e o envio deste material (documentos secretos) para a Rússia?

Bentley: O Partido Comunista, sendo parte da Internacional Comunista, só e somente servia aos interesses de Moscou, fosse executando ações de propaganda, espionagem ou sabotagem.

Trecho do depoimento de Elizabeth Bentley no julgamento dos Rosemberg (1951-53).



As denúncias de “corrupção” do governo Lula, apesar de sua inédita extensão e modus operandi (uso sistemático da estrutura governamental), ainda é algo que deve ser colocado entre aspas. O que se entende no Brasil por corrupção é uma parte de seu sentido original. Aqui o termo refere-se somente ao desvio de função dos servidores públicos para obter vantagem pecuniária particular, seja desviando fundos públicos, seja achacando fornecedores de serviços e/ou provisões oficiais de forma ilegal.

O que o brasileiro não entende que corrupção é apenas um sintoma, um sinal. Corrupção é somente uma febre e como toda a febre, deve-se tratar de suas causas.

As incontáveis Comissões Parlamentares de Inquérito neste país foram apenas a aplicação de uma grande dosagem de medicamento “anti-térmico” de efeito temporário. Sem um tratamento adequado a febre volta. Como voltou e voltará ainda inúmeras vezes.

A sociedade brasileira, dinheirista, consumista e rasteira em seus valores, acha que todos os indivíduos podem usar da mesma causa-padrão para cometer estes atos de corrupção: grana, money, bufunfa, vil metal. “Show me the money” - a frase famosa de filme de Tom Cruise (“Jerry McGuire”) parece ser a causa fundamental e única de todos os males. Desconhecem que a corrupção dos valores, da alma, das virtudes acontece muito antes da corrupção material.

Investigar as causas materiais da corrupção sem também investigar suas causas formais pode converter esta tentativa de cruzada ética em mais um ato de colaboracionismo inconsciente, em que a real causa de corrupção e seus perpetradores escapam do foco da investigação, ou quando o são não são investigados pelos motivos que deveriam ser.

Desta forma, o trabalho das CPIs -comandado pelos reais causadores dos fatos que tenta apurar – acaba se transformando em estratégia de propaganda e “character assassination” dos sonhos de qualquer manipulador.

Este foi o destino de várias CPIs deste país. A que levou Fernando Collor à renúncia foi quase o “state of art” das CPIs colaboracionistass: tirou um grande adversário do campo e acabou com sua carreira política. Se não teve o resultado eleitoral previsto em 1994 foi por que um outro companheiro de viagem – viajando na primeira classe, “of course” - lhe tomou as rédeas justo no momento de botar as mãos na botija.

Mas a fórmula matadora de CPI s controláveis à distância definiu um modelo, uma forma de atuar que se espalhou pelo país. No RS, por exemplo, o governador Alceu Collares também foi vítima de uma CPI política que tinha o objetivo de apeá-lo do cargo. Mas a total vacuidade de sua motivação não a levou a lugar algum.

Mas não perco a esperança: será que algum dia ouviremos algo parecido com o trecho citado no início do artigo? Para recordar, Elizabeth Bentley foi amante de Jacob Golos – chefe da espionagem soviética nos EUA. Ela, depois de abandonar o comunismo e seu amante, contou a uma comissão de investigação o real papel do PC nos EUA: fachada para os interesses de Moscou.

Quem terá a coragem de dizer em alto e bom som que ao PT não interessa o jogo político democrático, que o partido é simplesmente a franquia local de dois projetos de poder continenal e mundial que se complementam: O Foro de São Paulo e a Nova Ordem Mundial?

Será que Roberto Jefferson poderá ser a nossa Elizabeth Bentley?

Duvido. O Brasil não gosta de verdades, não quer enfrentar a terrível constatação que se deixou enganar totalmente por uma gang de criminosos narco-socialistas.

Como aqui o auto-engano se expande até se tornar uma versão-trash de uma realidade possível, Jefferson bem que poderia se prestar ao papel de nossa Bentley , especialmente depois dizer que Dirceu despertava seus “instintos mais primitivos”...



3 comentários:

acja disse...

Post muito bom.Comparação e análise interessantes.O blog é interessante , a começar pelo nome....

Carrasco disse...

Perfeito!!
Parabéns!

O Feio disse...

Hehehe, como você disse, os brasileiros não gostam da verdade.
O livro da Bentley é pouco comentado, pensei que tinha sido o único a ler. Eu não entendo como, depois de todas aquelas provas, a esquerda continua afirmando que o que aconteceu nos EUA nos anos 50 foi um "caça às bruxas" e que tudo foi um exagero.
Você já leu o livro do Waack sobre os arquivos de Moscou?

abraços