quinta-feira, abril 08, 2010

Eis um típico Anti-Padre: José Comblin

Lendo a entrevista de José Comblin, nota-se a inversão satânica de sua missão.
E nela, a própria subversão da Igreja Católica.
Um padre que fugiu da "falta de fé" da Europa, hoje tece loas à Lula, Chávez e Evo Morales.
Uma "evolução" e tanto.
Mas não acredito que ele tenha sido "modificado", ou seja, levado ao comunismo no Brasil. A sua missão dentro da Igreja era realmente esta.

E o pior é que o último grande Papa, Pio XII, achava que estava ajudando a combater o mal do comunismo com gente como Comblin... Ledo engano.

Este indivíduo tem todas as características de ser um "anti-padre".

Leia, abaixo um trecho da entrevista ao site adital.


Adital - Entrevista com José Comblin: Uma vida na América Latina a serviço da libertação
José Comblin é teólogo. Participou do primeiro grupo da Teologia da Libertação. Esteve na raiz das equipes de formação de seminaristas no campo em Pernambuco e na Paraíba (1969), do seminário rural de Talca, no Chile (1978) e, depois, na Paraíba, em Serra Redonda (1981). Estas iniciativas deram origem à chamada Teologia da enxada. Além disso, esteve na origem da criação dos Missionários do Campo (1981), das Missionárias do Meio Popular (1986), dos Missionários formados em Juazeiro da Bahia (1989), na Paraíba (1994) e em Tocantins (1997). É autor de inúmeros livros, dentre eles A ideologia da segurança nacional: o poder militar na América Latina (Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978). O IHU acaba de publicar o Cadernos Teologia Pública nº 36, intitulado Conferência Episcopal de Medellín: 40 anos depois, com a conferência que ele proferiu no evento.


Como o senhor veio para o Brasil?

José Comblin - Eu vim a pedido do Papa Pio XII, que tinha um temor tremendo do comunismo. Ele fez um apelo, na década de 1950, a todos os episcopados do mundo para mandar sacerdotes à América Latina com o intuito de salvar o continente do comunismo, porque estava convencido de que este ia invadir toda a América Latina. Aí, então, todas as dioceses foram avisadas pelos seus respectivos bispos de que o Papa tinha pedido isso. O meu bispo deu a entender que não gostava muito da idéia, mas, já que era um pedido do Papa, se houvesse algum candidato ele iria examinar. Aí me apresentei porque já estava cansado de ficar lá (na Bélgica) e procurava uma oportunidade para sair do país. Quase todos que saíram de lá para lutar contra o comunismo viraram comunistas (risos). Porque, chegando aqui, logo se viu que quem tinha preocupação social era visto como comunista. Então, foi isso. Havia muitos "comunistas" e por isso havia a impressão de que o país iria se transformar. Agora, comunista mesmo, do partido...

(...)
O que acontece na América Latina são sinais positivos, porque a influência que os Estados Unidos têm sobre ela não conseguiu derrubar Chávez e Correa."




Powered by ScribeFire.

Reblog this post [with Zemanta]

12 comentários:

Wilson disse...

Verdadeiro traidor. Pobre Pio XII.

Prof. Frederico disse...

O Pe. Comblin deixou bem claro na entrevista o termo "comunista" (entre aspas). o que ele quis dizer é que todo homem com preocupação social na América Latina era considerado comunista e, com isso, era logo excluído.

Pe. Comblin, durante toda a sua vida, foi um grande defensor dos oprimidos e da Igreja militante em favor dos pobres. Fez-se pobre para isso, pois até hoje vive no sertão da Paraíba. Isso não é ser comunista, é ser engajado socialmente de acordo com os nossos problemas locais.

Acusá-lo de anti-padre é uma atitude de má-fé contra alguém que dedicou a sua vida inteira à implantação do Reino de Deus e, por isso, permaneceu a vida inteira engajado na América Latina. Hoje, nossos padres são romanos e não mais latino-americanos. Não conhecem nossa realidade de exclusão e a dimensão libertadora da fé. Precisamos de novos padres com a força e a coragem de José Comblin.

Irmã Annette DUMOULIN disse...

Padre COmblin: verdadeiro profeta, fiel a Jesus que também foi chamado de traidor. Padre Comblin terminou sua longa romaria nesta terra...Faleceu óntem. Por favor, vocês, traidores da mensagem de Jesus, aproveitam da quaresma para ler um dos livros de José Comblin: "A profecia na Igreja". Eu nos desejo uma santa conversão!

Irmã Annette DUMOULIN disse...

Proprietário do blog... estamos numa democracia, mas se não quizer publicar meu comentário, não importa. Essa mensagem é de uma irmã que lhe deseja bem e ficou tão triste de perceber a sua cegueira! Por favor, meu irmão... Que o Espírito Santo o ilumine: deixe a luz do céu entrar na sua vida

Luís Afonso disse...

Irmã Annette Dumoulin:
Sou católico mas rejeito a teologia da libertação em todos os seus níveis.
Os teólogos da libertação transformam Jesus Cristo em apenas mais um Barrabás. Esta é a transformação satânica por definição da mensagem cristã.
Mantenho o que publiquei,por que afinal não é minha opinião, mas o testemuno do próprio Padre Comblin. Que Deus o perdoe.

Ir. Rosana disse...

Acho Deus um ser incrível...

Deu-nos o LIVRE-ARBÍTRIO para pensar, agir e emitir julgamentos... E por fim... criar um blog para expor o que quiser... E também para aceitar ou não os comentários de quem, livremente fez a escolha de ler a postagem...

Nem sei porque posto este comentário, estou me perguntando se realmente vale apena... Comblin não precisa de defensores, nunca precisou... nem de atacantes... A postagem ou os comentários não acrescentam nem subtraem sua grandeza de alma...

Apenas quero dizer que não somos dignos de querer ser Deus para definir um SER HUMANO qualquer de satânico, diabólico ou o que for.
Ainda que pensássemos conhecer profundamente a pessoa a quem esse tipo de definição se dirigisse.

Creio que a MISERICÓRDIA DE DEUS é sem limites e quero continuar crendo... Ele não se valoriza em 1ª instância as bandeiras que levantamos, as pessoas que defendemos, os partidos aos quais nos associamos, ou a Teologia que defendemos.

Deus olha o que ninguém vê... A essência, o miolo, não a casca...

Creio que é assim que Deus contempla Comblin, agora mais próximo ainda, na Eternidade. É assim que contempla a você Luís Afonso, ao Lula, Chávez e Evo Morales, a mim e a tod@s nós!!!

Saudações fraternas a você, Luís Afonso, na Trindade somos irmãos!

Luís Afonso disse...

Será que Deus não se importa realmente com quais bandeiras nos apegamos?
É certo que somente Deus vê as reais intenções dos corações dos homens.
O mais chocante neste episódio é como o Padre José Comblin trocou a direção e a orientação de Pio XII pelas palavras enganosas de um Evo Morales e um Chávez ou até mesmo de um assassino frio como Che Guevara.
Nesta entrevista o padre Comblin ainda ironiza, dá risadas, sobre o túmulo do santo padre. Isso não foi um desrespeito?


Quem troca de aliados desta maneira não parece fazê-lo por desconhecimento.


Só para lembrar : O comunismo sempre usou de belas palavras para conseguir adeptos. As palavras de Nossa Senhora de Fátima continuam atuais até o dia de hoje. "Os erros da Rússia se espalharão pelo mundo todo e até mesmo a Igreja será corrompida".


Este é o estado das coisas no mundo de hoje.

Agradeço as saudações fraternas e as retribuo.

Ir. Rosana disse...

Sr. Luís Afonso:

Obrigada por aceitar o meu comentário. Admiro pessoas que como o senhor, se deixam questionar... Jesus, Teresa de Calcutá, Ir. Dorothy, D. Elder Comblin, Gandhi, Che também foram assim... Não tinham medo de confrontar suas ideias.

Sinto muito pelo fato de o senhor não ter postado toda a entrevista. Quem sabe assim tantas pessoas poderiam entender melhor a ideologia de Comblin...

"Quase todos que saíram de lá para lutar contra o comunismo viraram comunistas (risos). Porque, chegando aqui, logo se viu que quem tinha preocupação social era visto como comunista."

Todos aqueles que defendem a causa da massa sobrante da sociedade são perseguidos, rejeitados, difamados e até exilados. Não foi assim??? O senhor que viveu mais que eu pode dizer com mais propriedade.

Porque será que existe tanta rejeição contra os que profetizam contra a opressão e a injustiça?
Porque pessoas assim incomodam tanto???

Jesus também incomodou...
Defendeu e perdoou prostitutas, ladrões, assassinos, denunciou injustiças, ostentações e tantos outros exemplos podemos contemplar nos Evangelhos.

O senhor realmente acha que fidelidade consiste em que???
Comblin deveria ter ficado pregando sermões maravilhosos sobre os dogmas da Igreja (que são valiosíssimos a meu ver) e depois ir dormir tranquilo na sua cama confortável enquanto tantos vivem na miséria???

Perdoe-me! Não consigo concordar com sua concepção de fidelidade a Pio XII!

Como acolheríamos Jesus se Ele voltasse hoje, hein? Será que o reconheceríamos como o Messias enviado pelo Pai???
Qual seria o tipo de morte que escolheríamos para Ele???

Voltarei para ler tua resposta e espero que sejas mais objetivo que na anterior. Mas definitivamente despeço-me das postagens...
Obrigada!

Luís Afonso disse...

Irmã Rosana:
Não consigo conceber a sua visão cristã-ativista.
A única forma cristã de ajudar aos outros é nossa caridade pessoal. Ajudar a criar um regime político, apoiando até o uso da violência para seus fins, não tem nada de divino ou cristão, mas o contrário.
Jesus perdoou a todos é certo, mas o perdão era precedido pelo arrependimento dos pecados.
Nenhuma prostituta, ladrão ou assassino perdoado por jesus continuou com seus atos. Aceitar a Cristo é também abandonar o mundo material.
O que andam ensinando nos seminários hoje em dia?
Jesus veio para promover o bem estar social e material para as pessoas? Pelo contrário, veio para dizer que o Seu Reino não era deste mundo.
Como dormir à noite? Simples, fazendo o bem a ajudando as pessoas até materialmente,se for o caso, mas nunca esquecendo o que realmente é importante, que é a Palavra de Deus.
O mundo não será salvo pelos cristãos, muito menos pela luta política. O único salvador é Jesus Cristo.

Irmã Annette disse...

É terceiro domingo da quaresma, o evangelho apresenta Jesus na beira do poço pedindo água a mulher samaritana. Na cidade de São Salvador da Bahia chove muito. Longe do centro turístico, na região metropolitana, bem na divisa entre Salvador e Simões Filho, num bairro pobre e meio esquecido está o “Recanto da Transfiguração” – uma comunidade de consagradas que vivem a espiritualidade trinitária. Foi nesta casa simples e acolhedora que José Comblin se encontrava. Foi cercado de gente simples que ele celebrou há dias atrás, seus 88 anos de vida, com direito a bolo e vela para apagar.

Ao lado da capela num simples quarto, na manhã do dia 27 de março, embalado nos braços da Trindade Santa, José foi para casa do Pai.

Recebi o telefonema do Frei Luciano da CPT e imediatamente segui para local. No caminho fui avisando aos amigos e amigas, que pudessem ir para lá. Cheguei no Recanto da Transfiguração... Comblin estava na cama onde tinha dado o último suspiro. O semblante tranquilo de quem morreu como tinha sonhado... cheguei bem perto, peguei em sua mão, afagei seu rosto e lembrei naquele instante de pessoas que gostariam de fazer aquele mesmo gesto... e disse baixinho:

“José esse aperto de mão é em nome do Beozzo, do CESEP, do CEBI, do Carlos Mestres, da Ivone Gebara, das faculdades de teologia onde você lecionou, do Fr Betto, do Marcelo Barros, do Ir. Bruno de Taizé, das Comunidades eclesiais de base...e tantos e tantas... é também em nome da Teologia da Enxada!

Na sala, ao lado do quarto, estavam Frei Luis Cappio, Bispo da Barra (BA), onde atualmente residia Comblin; também Eduardo Hoonaert e a esposa e a Mônica que o acompanhava. Dom Cappio nos convida a celebrar a Eucaristia. Pegamos juntos o corpo do José, levamos para capela, e numa celebração simples, familiar de pouco mais de vinte pessoas, entoamos canções que marcaram a história das comunidades. Rezamos, ouvimos o testemunho dos que ali estavam e dos amigos que conviveram com Comblin.

Terminada a celebração embalados por canções e preces nos despedimos. Pe José Comblin será sepultado na Paraíba. Lá seu corpo será semeado, no mesmo chão nordestino que acolheu Pe Ibiapina, Padre Cícero, Margarida Maria Alves, Dom Hélder Câmara...

Fechei alguns botões da sua camisa; no quarto onde veio a falecer, coloquei no guarda roupa os óculos que ainda estavam sobre a cama. Lá fora a chuva caia fina, algumas pessoas ainda chegavam, quase todos sempre com o mesmo sentimento: Muito obrigado José Comblin!

Recordei sua profecia, seus escritos, sua lucidez...e me veio no pensamento a canção:

E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?"

Padre Edegard Silva Júnior
Presidente da CRB de Salvador

Irmã Annette disse...

É terceiro domingo da quaresma, o evangelho apresenta Jesus na beira do poço pedindo água a mulher samaritana. Na cidade de São Salvador da Bahia chove muito. Longe do centro turístico, na região metropolitana, bem na divisa entre Salvador e Simões Filho, num bairro pobre e meio esquecido está o “Recanto da Transfiguração” – uma comunidade de consagradas que vivem a espiritualidade trinitária. Foi nesta casa simples e acolhedora que José Comblin se encontrava. Foi cercado de gente simples que ele celebrou há dias atrás, seus 88 anos de vida, com direito a bolo e vela para apagar.

Ao lado da capela num simples quarto, na manhã do dia 27 de março, embalado nos braços da Trindade Santa, José foi para casa do Pai.

Recebi o telefonema do Frei Luciano da CPT e imediatamente segui para local. No caminho fui avisando aos amigos e amigas, que pudessem ir para lá. Cheguei no Recanto da Transfiguração... Comblin estava na cama onde tinha dado o último suspiro. O semblante tranquilo de quem morreu como tinha sonhado... cheguei bem perto, peguei em sua mão, afagei seu rosto e lembrei naquele instante de pessoas que gostariam de fazer aquele mesmo gesto... e disse baixinho:

“José esse aperto de mão é em nome do Beozzo, do CESEP, do CEBI, do Carlos Mestres, da Ivone Gebara, das faculdades de teologia onde você lecionou, do Fr Betto, do Marcelo Barros, do Ir. Bruno de Taizé, das Comunidades eclesiais de base...e tantos e tantas... é também em nome da Teologia da Enxada!

Na sala, ao lado do quarto, estavam Frei Luis Cappio, Bispo da Barra (BA), onde atualmente residia Comblin; também Eduardo Hoonaert e a esposa e a Mônica que o acompanhava. Dom Cappio nos convida a celebrar a Eucaristia. Pegamos juntos o corpo do José, levamos para capela, e numa celebração simples, familiar de pouco mais de vinte pessoas, entoamos canções que marcaram a história das comunidades. Rezamos, ouvimos o testemunho dos que ali estavam e dos amigos que conviveram com Comblin.

Terminada a celebração embalados por canções e preces nos despedimos. Pe José Comblin será sepultado na Paraíba. Lá seu corpo será semeado, no mesmo chão nordestino que acolheu Pe Ibiapina, Padre Cícero, Margarida Maria Alves, Dom Hélder Câmara...

Fechei alguns botões da sua camisa; no quarto onde veio a falecer, coloquei no guarda roupa os óculos que ainda estavam sobre a cama. Lá fora a chuva caia fina, algumas pessoas ainda chegavam, quase todos sempre com o mesmo sentimento: Muito obrigado José Comblin!

Recordei sua profecia, seus escritos, sua lucidez...e me veio no pensamento a canção:

E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?"

Padre Edegard Silva Júnior
Presidente da CRB de Salvador

Meu irmão
achei esse comentário tão profundo e bonito que eu me lembrei do Senhor. Que Jesus nos ilumine para sermos verdadeiros discípulos e missionários da Boa Nova da Salvação a todos.

Gaby disse...

Padre José Comblin morreu. Um bispo o criticou, como: "Comblin, homem cansado e pessimista". O pessoal das Comunidades por onde ele andava não o chamava de Comblin, mas sim de "Padre José". Padre Comblin incomodava as pessoas de poder, mas era amado pelos pobres que o acolhiam carinhosamente como Padre José.

Padre José Comblin nasceu na Bélgica nos anos 20 do século passado e nos anos 50 veio trabalhar e anunciar a Boa Nova aqui no Brasil. O profeta Amós era de Judá no Sul e foi trabalhar e anunciar a Boa Nova de Deus em Israel no Norte, no santuário de Betel. Amasias, o sacerdote de Betel, não gostou e denunciou o profeta junto ao rei Jeroboão, dizendo que já não se podia tolerar as palavras de Amós. E mandou dizer ao próprio Amós: "Ó, seu profeta, vá embora daqui. Retire-se para sua terra Judá. Vá ganhar sua vida por lá com suas profecias. Mas não me venha mais fazer suas profecias aqui em Betel, pois isto aqui é o santuário do Rei e o templo do Rei". Amós mandou dizer: "Eu não sou profeta nem filho de profeta. Sou camponês, criador de gado e cultivador de sicômoros. Foi Javé que me tirou de trás do rebanho e me ordenou, ‘Vá profetizar ao meu povo Israel'!" (Amós 7,10-15).

Como o profeta Amós, Padre José Comblin incomodava aos homens do poder no tempo da ditadura e foi expulso várias vezes. Incomodava também aos que exercem o poder na Igreja. Alguns deles chegaram a dizer que já não se podia tolerar as coisas que ele dizia, e eles proibiram a fala dele várias vezes em vários lugares.

Como o profeta Amós, Padre José, ele mesmo, nunca se apresentou como profeta. Ele se apresentava como ser humano cristão e sacerdote, cumpridor fiel do seu dever. Posso testemunhar: convidado para falar nas comunidades e nos grupos do CEBI, Padre José convencia as pessoas pela simplicidade do seu jeito de conversar e dialogar, pelo testemunho da sua sinceridade e profundidade de vida e pela quantidade enorme de informações de que dispunha para confirmar as coisas que dizia e as denúncias que fazia.

Mesmo ausente ele continua presente. Como o profeta Amós, "seu corpo foi sepultado em paz, mas o seu nome viverá através das gerações" (Eclo 44,14).