terça-feira, janeiro 13, 2009

Yuri Bezmenov Ataca de Novo

Obrigado ao David Carvalho, da comunidade Olavo de Carvalho no Orkut, que colocou estes vídeos com legendas em português.
Yuri Bezmenov, agora ostentando seu nome de exilado, Tomas Schuman (assim como Ladislav Bitmann virou Lawrence Martin-Bittman, aprofunda o assunto da famosa entrevista à Edward griffin em 1984.
Aproveitem.
Para ver as legendas, inicie o vídeo (>), depois, à direita, clique na seta para cima (^). Lá tem a segunda opção que é habilitar as legendas. Desculpa a demora e aproveitem!
-----------
Thanks to David Carvalho, from Olavo de Carvalho community at orkut, here´s another interview from the former KGB agent Yuri Bezmenov aka Tomas Schuman (just like Ladislav Martin-Bittman) with portuguese subtitles.
Enjoy.

Part I




Part II



Part III



Part IV



Part V



Part VI



Part VII

5 comentários:

Anônimo disse...

Os vídeos são muito interessantes, mas não encontrei os que estão legendados em português. Tens uma dica?
Obrigado

Luís Afonso disse...

Para ver as legendas, inicie o vídeo (>), depois, à direita, clique na seta para cima (^). Lá tem a segunda opção que é habilitar as legendas.
Desculpa a demora e aproveitem!

Zé Luiz disse...

É aterrador! Chamo atenção para os textos dos slides, que aparecem em pequeno tamanho e pouco legíveis. Vale a pena o esforço para ler. A URSS desapareceu, mas as táticas estão mais vivas do que nunca!

Nelson disse...

Muito interessante a exposição, mas fica no ar uma dúvida: isto também não é uma forma de propaganda? As propostas de solução
através de medidas coercitivas, tanto no âmbito da educação, como na liberdade de emprendedores não é uma forma velada de autoritarismo? Estou
fazendo o papel do "advogado do diabo", mas concordo com quase tudo que foi exposto e proposto.

Luís Afonso disse...

Nelson: O que entendo é que para tirar ou parar o processo, depois da terceira etapa, só com medidas mais duras.
O que, efetivamente, foi feito no Brasil.
O perigo é que o remédio transforme-se em doença, ou seja, para barrar um processo ditatorial comunista, cria-se outro monstrengo.
Mas mesmo assim é menos pior do que uma ditadura comunista.
Fidel mantém Cuba há mais de cinquenta anos. Já acabaram a ditadura brasileira, a chilena, a argentina...

Quanto ao aspecto "propaganda" do seu comentário, acho que há um equívoco. Pois propaganda é algo feito para criar falsos desejos nas pessoas, influenciar suas decisões. Se assim fosse, o vídeo também seria uma propaganda para instaurar uma ditadura comunista, para que pudéssemos ter uma intervenção militar a seguir.
Mas o que acontece é justamente o contrário.
Sugiro a leitura dos dois livros de Anatoly Golistsyn (outro desertor russo, como Bezmenov) "New Lies For Old" e "perestroika deception", que detalham o plano subversivo.