quarta-feira, agosto 16, 2006

EFEITO BUMERANGUE

Publico um elucidativo artigo da Christina Fontenelle, do site http://christina-fontenelle.blogspot.com/.

Efeito Bumerangue

Christina Fontenelle



 





 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Há duas semanas temos assistido à propaganda intermitente do mais novo lançamento do cinema nacional: Zuzu Angel, com Direção de Sérgio Rezende e Produção Joaquim Vaz de Carvalho. Eu já li dezenas de reportagens sobre o filme, sobre a vida da estilista Zuzu Angel e sobre a prisão e morte de seu filho, Stuart Edgar Angel Jones. Igualmente assisti a mais uma dezena de entrevistas concedidas pelos atores do filme, em trabalho rotineiro de divulgação. Em nenhuma dessas oportunidades eu li, vi ou ouvi absolutamente nada sobre o envolvimento de Stuart Angel com grupos terroristas que praticavam toda a espécie de crimes para fazer a "revolução comunista" no Brasil.
 

Os próprios terroristas, hoje anistiados e muitos deles no Congresso Nacional, admitem publicamente que não lutavam pela liberdade e nem pela democracia, mas pela revolução. Hoje em dia, nem mais novidade isso representa. Mas, nos discursos de divulgação do filme Zuzu Angel, essa verdade é sumariamente omitida. O filho da estilista, Stuart Angel, era um terrorista, membro do MR-8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro), cujo nome faz referência à data em que o guerrilheiro Che Guevara foi capturado pela CIA. O grupo, formado por dissidentes do Partido Comunista Brasileiro do antigo Estado da Guanabara, passou a utilizar este nome depois da execução do seqüestro do embaixador norte-americano, Charles Burke Elbrick, em setembro de 1969 – operação que foi realizada em conjunto com outro grupo terrorista, a Ação Libertadora Nacional (ALN).
 

O episódio do seqüestro do embaixador norte-americano é emblemático porque foi a partir do êxito dessa operação que os terroristas brasileiros passaram a se utilizar dessa modalidade de crime – hoje considerada pela Constituição Brasileira como crime hediondo – para alcançar alguns de seus objetivos. A idéia de seqüestrar o embaixador americano foi do guerrilheiro Franklin Martins (esse mesmo que hoje é comentarista político da BAND), que participou da ação dirigindo um dos carros envolvidos na operação (se não me engano, um volks azul) e escrevendo o texto do comunicado que foi deixado no carro oficial do diplomata seqüestrado, onde se lia que o seqüestro era um ato revolucionário e que o embaixador americano era representante dos " interesses espoliativos norte-americanos no Brasil". No "bilhete", os guerrilheiros também exigiam a libertação de 15 companheiros que se encontravam presos e ainda que se fizesse a publicação ou a leitura daquela mensagem nos principais jornais, rádios e estações de TV do país.
 

Como se pode observar em ações terroristas que acontecem ainda hoje no mundo, principalmente na região do Oriente Médio, a estratégia de seqüestrar pessoas para conseguir desde dinheiro a espaço na mídia não é nenhuma novidade. Novidade mesmo foi essa prática ter voltado ao cenário das ocorrências criminais no Brasil, pelas mãos do mais recentemente conhecido grupo terrorista brasileiro – o PCC. Grupo este, aliás, do qual se suspeita fazerem parte militantes das Farc, do Hezbollah e da Al-Qaeda, bem como também agentes dos serviços secretos de Cuba e da Rússia. Além destes, há hipóteses levantadas a partir de investigações que estão em andamento na Polícia Federal e no Ministério Público do envolvimento do PCC com o Movimento dos Sem Terra (MST), com o Movimento de Libertação dos Sem Terra (MLST) e até com o Partido dos Trabalhadores (PT).

Guilherme de Azevedo Portanova e Alexandre Coelho Calado, respectivamente repórter e auxiliar técnico da TV Globo, foram seqüestrados na manhã de sábado (12/08) na zona sul de São Paulo. O técnico Calado foi libertado na madrugada de domingo, para levar um DVD que deveria ser exibido pela TV Globo como condição para a libertação do repórter.


Em nota divulgada à imprensa, a Rede Globo informou ter sido orientada pela coordenadora do Insi (International News Safety Institute) na América Latina, Luiza Rangel (de Caracas, na Venezuela), a ceder. A emissora também consultou Tim Crocket, chefe do escritório de Atlanta do The AKE Group, uma empresa especializada em gestão de riscos e segurança. Ele deu a mesma orientação que Luiza Rangel e recomendou que a emissora entrasse em contato ainda com Tom O'Neil, consultor do escritório no Líbano e especializado neste tipo de ação. Ele também repetiu as mesmas recomendações. Foi assim que, depois de comunicar o ocorrido e de mostrar o conteúdo do DVD à polícia de SP, a Globo decidiu divulgar o vídeo, somente para o Estado de SP, à 0:28h de domingo (13/08), no intervalo do "Supercine" que costuma atingir mais de dez pontos no Ibope, na Grande São Paulo, o que equivale a mais de 550 mil domicílios. À noite, a emissora exibiu parte do manifesto no "Fantástico".
 

O secretário da Segurança Pública de São Paulo, Saulo de Castro Abreu Filho, tentou evitar que a Rede Globo exibisse o vídeo com o manifesto do PCC. O delegado Osvaldo Nico Gonçalves, coordenador do Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos), também defendeu a não exibição da fita, argumentando que a exibição abriria um precedente arriscado. Pela sugestão dos policiais, a ação da Globo deveria seguir a negociação de um seqüestro convencional: 1) procurar não ceder "facilmente" às exigências dos seqüestradores e 2) exigir uma prova de que o repórter estivesse vivo. O ministro Tarso Genro (Relações Institucionais) disse que a ação demonstra uma " ousadia inaceitável" por parte do crime e considerou "correta" a decisão da Globo de cumprir a exigência feita pelos seqüestradores.
 

Nas imagens exibidas, um suposto integrante do PCC faz críticas ao sistema penitenciário, pedindo um mutirão para revisão de penas (por causa de presos que já cumpriram a pena mas ainda continuam na carceragem), melhores condições carcerárias, e se posicionando contra o RDD, que impõe regras mais rígidas aos presos. A Globo cortou a introdução na qual eram mostradas armas de guerra, dinamites, granadas e coquetéis molotov. Parte do comunicado repete quase na íntegra trechos de parecer do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária do Ministério da Justiça, de abril de 2003, que apontava aquilo que considerava ilegalidades do RDD.
 

Um DVD com o mesmo conteúdo havia sido enviado ao jornal Folha de SP, na quarta-feira (9), que relatou parte do conteúdo em reportagem publicada na quinta-feira (10). Ainda uma outra cópia foi jogada, na sexta-feira (11), no estacionamento do SBT, que encaminhou uma cópia ao Ministério Público.

O repórter Guilherme Portanova foi deixado numa rua do Morumbi (zona oeste de São Paulo), no final da noite de domingo e chegou à sede da TV Globo, por volta da 1h. Ele disse que permaneceu o tempo todo encapuzado, que não foi agredido nem ameaçado de morte pelos seqüestradores e que foi alimentado durante todo o tempo em que permaneceu no cativeiro.

Duas coisas precisam ficar bem claras antes de completar o meu raciocínio a respeito da relação entre o filme sobre Zuzu Angel, o seqüestro dos dois funcionários da TV Globo e a incoerente postura desta emissora.

Primeiro

As dores de mãe (e elas são muitas e pelos mais diversos motivos) estão acima de qualquer discussão e de qualquer julgamento, mesmo que se suponham razões para as suas reações em relação a atitudes de seus filhos ou a acontecimentos que os tenha vitimado. Desse modo, fazer um filme para contar a agonia de uma mãe em busca de um filho desaparecido – seu desespero, suas dúvidas, suas culpas, seu infortúnio -, ainda que possa ter um componente de sadismo, tem seu valor, na medida em que leva outras pessoas a refletir, entre outras coisas, sobre suas atitudes em relação a seus próprios filhos. Provocar reflexões é uma das belas funções da arte. Aproveitar-se, entretanto, da desgraça alheia para convertê-la em instrumento de manipulação ideológica é hediondo. E é isso que os comunistas fizeram e continuam fazendo com a estória da estilista Zuzu Angel.
 

A estilista, ainda menina, foi morar com os tios em Belo Horizonte. Lá conheceu o caixeiro viajante, Norman Angel Jones, com quem se casou e teve três filhos: Stuart, Hildegard e Ana. Stuart nasceu em 1946, quando a família morava em Salavdor (BA). Em 1947, mudaram-se todos para o Rio de janeiro. Separada do marido, numa época em que separação era tabu e costumava ser muito traumática para os filhos, Zuzu trabalhava muito como costureira para sustentá-los – muito trabalho e pouco tempo para eles. Em 1960 já era famosa e costurava para gente famosa do Brasil e dos EUA, onde fazia desfiles de moda, vendia roupas em lojas de departamentos e saía em jornais como o The New York Times. Em pleno auge da carreira de Zuzu, Stuart Angel entrou para o movimento comunista revolucionário Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), aos 19 anos, em 1965, onde acabou tornando-se um dos homens de confiança do ex-capitão de Exército e guerrilheiro Carlos Lamarca (1). Depois, os dois passaram a fazer parte do MR-8. Mãe e filho ficaram mais afastados ainda e, infelizmente, o futuro não lhes brindaria com a possibilidade de recuperar o tempo perdido.
 

O MR 8 foi uma das principais organizações armadas (assaltos a bancos, fábricas, supermercados e expropriações variadas) dos anos 60 e 70, com grande peso no movimento estudantil, tendo desencadeado um processo guerrilheiro no qual se empenharam centenas de jovens estudantes. Entre suas ações mais importantes está o seqüestro do embaixador dos EUA em 1969 (já acima citado). Num documento do Serviço de Informações do DOPS, de 14/09/71, consta que Stuart participara desse seqüestro e de assaltos, tendo sua prisão preventiva sido decretada. Em maio de 1971, um telefonema anônimo fez Zuzu Angel tomar conhecimento da prisão do filho, que havia sido levado para o Centro de Informação da Aeronáutica. Oficialmente, segundo à Aeronáutica, Stuart teria sido solto e, posteriormente, dado como desaparecido.
 

A outra versão do caso de Stuart Angel tem origem no relato que Alex Polari de Alverga (da VPR) fez sobre o suposto assassinato do companheiro terrorista. Essa versão acabou sendo difundida, anos mais tarde, por Arnaldo Jabor, em sua coluna de 11/07/2002, intitulada "Vale a pena ver de novo a zona geral do país?", onde se lê: "(...) não vi, mas muitos viram meu amigo Stuart Angel morrendo com a boca no cano de descarga de um jipe, dentro de um quartel, na frente dos pelotões". De lá para cá, só um, o Alex Polari de Alverga, viu e apareceu, ficando os "muitos viram" por conta do Jabor. Minto. Apareceu uma outra: o capitão Sérgio Miranda de Carvalho (2) - o "Sérgio Macaco". Porém anos mais tarde, ele confessou, em manuscrito, que forjou as fantásticas histórias da tortura de Stuart Angel Jones, da explosão de um gasômetro, que aconteceria por ordem do Brigadeiro João Paulo Burnier e da venda da Amazônia a um general norte-americano.

Alex Polari de Alverga (3) tinha sido preso na véspera da prisão de Stuart. Ele disse que levou a polícia onde iria encontrar-se com o companheiro, mas que havia trocado o horário: o encontro seria às dez horas e ele disse que seria as oito. Mas, Stuart, por acaso, naquele dia, chegou antes da hora marcada para o tal encontro e acabou sendo preso. Guerrilheiro experiente, Alex talvez devesse ter trocado o horário para algumas horas mais tarde, já que assim Stuart poderia ter tido a chance de perceber que algo saíra errado e ter escapado de ser preso. Algum tempo depois, foi o Alex que, através de uma carta, informou a Zuzu Angel sobre as circunstâncias da morte de Stuart. Nessa carta, ele disse que estava presente quando Stuart foi arrastado por um jipe, pelo pátio interno da Base Aérea do Galeão, com a boca no cano de descarga do veículo: " Na mesma noite fui torturado ao lado de Stuart, na base aérea do Galeão. Stuart foi arrastado de um lado para o outro, seu corpo esfolado, amarrado a um jipe (...) ele forçado a aspirar os gases tóxicos do veículo, o cano de descarga enfiado na boca ". Alex Também ouviu os gritos de Stuart – numa cela ao lado – pedindo água e dizendo que ia morrer e, pouco depois, seu corpo (supostamente morto) foi retirado da cela (4).

Segundo

É preciso que fique claro que, pelo menos para mim, não se pode julgar a atitude que tomaram os responsáveis pela Rede Globo quanto à decisão de divulgar o conteúdo do DVD enviado pelos seqüestradores para assegurar que o repórter da "casa" fosse libertado. Policiais experientes costumam dizer que não convém negociar com seqüestradores sem a orientação da polícia e sem oferecer dificuldades aos criminosos para obterem o que desejam. Mas, quem é que vai aplacar a culpa de quem não obedeceu aos seqüestradores se algo de ruim acontecer com um refém? Afinal, um dos trunfos dos criminosos é não ter nenhum problema em relação à covardia dos próprios atos e muito menos em relação à culpa.
 

Bem, dito isto (e que nenhum dos apontamentos (1), (2), (3) e (4) deixem de ser lidos), não é preciso ser nenhum gênio para perceber a nítida semelhança entre as práticas terroristas do passado e as que hoje vêm sendo praticadas no Estado de São Paulo por esse aglomerado de agentes, ainda pouco decifrado, sob o nome de PCC (Primeiro Comando da Capital). A posição da Rede Globo é que fica um tanto quanto, digamos, "dicotômica", já que a emissora tem sido, há mais de 20 anos, ininterrupta e insistentemente, o maior dos veículos de propaganda de esquerda do país, achincalhando militares que lutaram e derrotaram os terroristas, em todas as tentativas passadas que fizeram de tomar o poder no Brasil, e endeusando ladrões terroristas, ao omitir os crimes que cometeram no passado e ao mentir deliberadamente sobre os motivos pelos quais cometiam estes crimes (que eram os de transformar o país numa ditadura comunista e não de lutar pela liberdade e pela democracia, como costuma-se propagandear pelas telinhas e telonas Brasil afora).
 

Outro dia mesmo o atual (des)governo brasileiro concedeu asilo político a um terrorista das Farc, o falso padre Olivério Medina. E qual foi a reação do jornalismo da Globo? Noticiou o fato como se estivesse da próxima frente fria que se aproxima do litoral nordestino. E sobre o Foro de São Paulo, presidido pelo nosso excelentíssimo senhor presidente da república? Silêncio absoluto. Sobre os crimes hediondos do ditador Fidel Castro: nada, nenhuma palavra – aliás referem-se ao homem como presidente de Cuba. Os ataques e atentados do "PCC" em São Paulo? Reafirmando sempre a certeza que a emissora tem da total e completa "imbecilidade" dos telespectadores, continua a Globo insistindo nas reportagens que falam que "as operações" são comandadas de dentro dos presídios.
 

Ora, pelo amor de Deus! Não há limites para uma emissora com o dinheiro, o potencial tecnológico e os profissionais que a Globo possui, para investigar e contar a verdade sobre o que quer que seja, a não ser a ideologia que pretenda defender ou a ganância pela qual se permita seduzir. Mas, há um outro limite também: o do caráter e o da fidelidade daqueles em que se pensa poder contar e confiar pelos serviços que a eles se tem prestado. A lição insofismável da história é antiga, pública e notória: não se pode confiar em terroristas, porque eles sempre agem em nome da causa; e isto está acima de todo e qualquer limite.
 

Nas atuais circunstâncias do Brasil, e até do mundo mesmo, o óbvio nunca é aquilo que se quer parecer que seja. Nada mais é impossível e o maquiavelismo atingiu as raias do absurdo inimaginável. Portanto, em princípio, fala-se daquilo que parece ser ou daquilo que se supõe ser razoável dentro dos limites de uma "podridão" humana, até certo ponto compreensível, ainda que inaceitável. O que vem depois disso, a gente tem que deixar para aventar por último: primeiro, para não dar idéias a ninguém; depois, para fingir que jamais se poderia ter imaginado algo tão terrível.
 

Bem o filme sobre a vida de Zuzu Angel está em cartaz, endeusando os heróis da guerrilha e do terrorismo – usando, para isso, a dor infinita de uma mãe que perde um filho. No mundo real, um crime gravíssimo – seqüestro com objetivos políticos – atentando contra a vida de dois profissionais da maior emissora de Tv do país, para exigir "espaço na mídia em nome da causa". A Globo cedeu e está aberto um precedente extremamente perigoso. Talvez esteja na hora da emissora começar a repensar seriamente sobre os rumos que tem dado a seus trabalhos.
 

Christina Fontenelle
16/08/2006
 



(1) Para se ter uma vaga idéia de quem era Lamarca. Em meados de abril de 1970, sentindo-se seguro, Lamarca convocou uma reunião ampliada do CN/VPR, numa casa, em Peruíbe, cidade do litoral paulista. Na noite de 18 de abril, já alertado sobre as prisões de companheiros que não teriam comparecido à reunião, Lamarca decidiu evacuar a área. Dois dias depois, chegaram as primeiras tropas da Polícia Militar (Operação Registro) e cercaram a área. Depois de mais de duas semanas, ainda cercados, Lamarca e mais 6 militantes emboscaram cerca de 20 homens da Polícia Militar de São Paulo, chefiados pelo Tenente Alberto Mendes Júnior. O Tenente, então, decidiu entregar-se como refém, para que seus subordinados, feridos, pudessem receber auxílio médico.

Na noite seguinte, 2 guerrilheiros haviam acabaram extraviado-se do grupo. Sem saber disso e não tendo os dois reaparecido, depois de andarem um dia e meio, Lamarca acusou o Ten Mendes de tê-los traído e de ter causado a morte dos dois companheiros. Um "tribunal revolucionário", condenou o Tenente à morte. Um dos terroristas, Yoshitane Fujimore, com a coronha do fuzil, desferiu violentos golpes na cabeça do Tenente que, caído e com a base do crânio partida, gemia e se contorcia de dor. Outro terrorista, Diógenes Sobrosa de Souza desferiu-lhe mais golpes na cabeça, esfacelando-a. Ali mesmo, numa pequena vala e com seus coturnos ao lado da cabeça ensangüentada, o Ten Mendes foi enterrado. Lamarca responsabilizou-se pelo assassinato. Em 08 de setembro, o terrorista Ariston Oliveira Lucena foi preso e apontou o local onde o Tenente Mendes estava enterrado, relatando o ocorrido. As fotografias tiradas atestaram o horrendo crime cometido. A mãe do Tenente entrou em estado de choque e ficou paralítica por quase três anos.

Quando o crime foi descoberto e divulgado, a VPR emitiu o seguinte comunicado "Ao Povo Brasileiro": "A sentença de morte de um Tribunal Revolucionário deve ser cumprida por fuzilamento. No entanto, nos encontrávamos próximos ao inimigo, dentro de um cerco que pôde ser executado em virtude da existência de muitas estradas na região. O Tenente Mendes foi condenado e morreu a coronhadas de fuzil, e assim o foi, sendo depois enterrado."

Nem a mãe e nem nenhum parente do Tenente Mendes receberam um centavo sequer do governo brasileiro pelo seu assassinato. Porém, os descendentes de Carlos Lamarca, bem como de muitos outros terroristas receberam e continuam a receber "gordas" indenizações do Estado pelos serviços que prestaram à nação.
 
EFEITO BUMERANGUE

(2) Sérgio Miranda filiou-se ao PC do B (Partido Comunista do Brasil), em 1985. Foi léder desse partido em 1989-1992, 1996-1997 e 2000. Foi eleito Deputado Federal para a legislatura 1991-1995. Em 2000, filou-se ao PDT e está atualmente cumprindo seu quarto mandato como deputado. Fez bem ao ex-capitão ter saído das FFAA.
 

(3) Alex Polari de Alverga ajudou a planejar e a executar o seqüestro do embaixador alemão , de 61 anos, Ehrenfried Anton Theodor Ludwig Von Holleben. Na operação, duas pessoas ficaram feridas e o motorista do embaixador, que era um agente da Polícia Federal, foi morto a sangue frio por um dos seqüestradores - Irlando de Souza Régis estava a um ano de sua aposentadoria e, naquele dia, sua companheira estava internada em um hospital, por ter extraído um rim. É na palavra de gente como Alex Polari – um terrorista e um delator - que a esquerda se fia para reconstruir a história do Brasil.
 

(4) Não sei quanto aos questionamentos feitos sobre o que estava escrito nesta carta, mas, quem já teve a infeliz "oportunidade" de encostar uma perna num cano de descarga de um carro ligado (ou recém desligado) sabe que a queimadura é forte e imediata, de modo que "abocanhar" um cano de descarga de um carro ligado causaria queimaduras tão intensas que a inutilizariam até mesmo para balbuciar qualquer coisa, quanto mais para gritar frases inteligíveis. Outra coisa: uma pessoa arrastada com a boca presa num cano de descarga de um carro em movimento morre precisaria estar com a cabeça bem amarrada para este fim - não tem como sobreviver, tanto por causa da dor como por causa da asfixia. Depois disso, ainda ficar numa cela gritando é totalmente inverossímil. São apenas cogitações que talvez possam ser esclarecidas por pessoas especializadas ou mais bem informadas sobre o assunto.


 

2 comentários:

Hilda disse...

Muito bom seu blog... ando mais que assustada com os PCC, o PT, a Rede Globo, a Imprensa, os Evangélicos de malas de dinheiro... temos saída?

MinasBlog disse...

CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE

CONTRA A MARÉ

VERMELHA



Acabo de visitar um blog muito interessante e deixo aqui um convite para você visitá-lo.
MINASBLOG - http://www.itvmg.org.br/minasblog.
O Minasblog trata de questões polêmicas sobre a disputa eleitoral para o governo de Minas Gerais. Apresenta artigos, entrevistas e comentários sobre os principais assuntos que a cobertura diária da mídia não quer ou não ousa comentar. Um espaço democrático, informativo e interativo. Vários blogueiros já estão inclusive linkando o Minasblog. Vale uma conferida.

MINASBLOG -> http://www.itvmg.org.br/minasblog